Egoísmo materno

Egoísmo (ego + ísmo) é o hábito ou a atitude de uma pessoa colocar seus interesses, opiniões, desejos, necessidades em primeiro lugar, em detrimento (ou não) do ambiente e das demais pessoas com que se relaciona.

Desde que meus filhos nasceram parece que fui tomada por um sentimento de egoísmo sem fim. Calma, deixa eu explicar, eu continuo me importando com as pessoas (em especial os familiares e amigos) mas a saúde, bem estar e felicidade da família que eu construí estão sempre em primeiro lugar, são a minha prioridade!!

Sendo assim, qualquer pessoa ou situação que eu sinta que de alguma forma não está satisfazendo essas minhas prioridades me deixam enraivecida. Sim, posso dizer que também fiquei mais briguenta depois disso, acho que por conta do egoísmo mesmo, discuto com quem quer que seja que esteja de alguma forma contrariando esses meus, digamos, princípios.

Será que eu tô ficando louca?? Ou será que toda mãe fica assim??

É tão natural isso pra mim…

Por exemplo, se tem uma data especial para minha família acho importante comemorar… e essa comemoração está no topo!! Qualquer outro compromisso é apenas um outro compromisso, porque é a nossa data e se nós não comemorarmos ninguém comemorará por nós, tô errada??

E talvez por isso eu saia por aí brigando com o mundo, mas e você, faria diferente??

Ok, eu sei que ainda tenho muito o que aprender e que o mundo não gira em torno da minha família. Mas agora somos nós 3 e isso, muda tudo!!

Anúncios

GRUDE!!!

Ok, eu confesso, eu sou um verdadeiro grude com a minha filha!! Mas e daí, por que não ser?? Ela é a coisa mais cuti cuti da minha vida mesmo!!!!! 😉

Agora deixa eu explicar tudo o que aconteceu desde que ela nasceu e vocês tirem as conclusões se esse nosso grude não é “saudável”.

Loly na verdade é gêmea do nosso anjinho Miguel. Eles nasceram prematuros, com 35 semanas de gestação. A Loly com 1700 kg e o Miguel com 1870 kg. Foram direto pra UTI Neo e nesse hospital que nasceram não tinha o tal “Projeto Canguru”, sendo assim só me restava visitá-los 2 vezes ao dia por meia hora (eu e o papai revesávamos 15 minutos com cada baby) e foi assim durante os 20 dias de vida do meu querido Miguelzinho, até ele nos deixar…

Não, não foi fácil me despedir do meu filho, eu jamais pensei que isso pudesse acontecer… mas, tem coisas que acontecem na nossa vida que não encontramos mesmo muitas explicações… mas enfim, não estou escrevendo esse post para me lamentar sobre tudo que aconteceu, apenas para explicar os motivos do meu grude e esse é um deles!

Apesar de tudo, levantamos a cabeça e comemoramos a vitória da Loly sair do hospital com 1 mês de vida e seguimos para casa prontos para dar e receber todo amor e cuidado do mundo!!! E foi assim pelos 4 meses da licença + 1 mês de férias… aí tive que voltar a trabalhar e colocar a Loly na escola.

Coloquei sem culpa, pois aquilo era o natural pra mim! Desde que engravidei estava muito claro que eles iriam para a escola. E a Loly foi, entrava as 7h e eu buscava só as 18h40… hoje eu penso como é que conseguia deixá-la lá por tanto tempo!! Mas como eu disse, era natural.. todas as crianças vão para a escola quando acaba a licença não é??

Bom, aí começaram os primeiros resfriados, viroses… até chegarem grandes infecções, muitos antibióticos, muitas crises respiratórias e um princípio de pneumonia… peraí, pneumonia?? Ah não, eu já perdi o meu filho, assim não dá pra continuar!!!!

E foi aí que decidi parar de trabalhar. Sim! Eu, uma mulher moderna, que trabalha fora e tem empregada em casa, percebi que não era assim tão moderna e que esse modelo não servia pra mim…

Coloquei a Loly só por meio período na escola e ia procurar um emprego meio período também, maaaas… as crises e os remédios todos continuaram, não teve jeito, minha filha tava precisando dos meus cuidados, na nossa casa!!!

E foi assim que, nesses 1 ano e meio que estou definitivamente me dedicando somente a minha filha, não precisamos de mais nenhum antibiótico, tivemos uns 3 ou 4 resfriados “simples”, nada de crises respiratórias… e foi assim também que nos tornamos esse grude!!!!

Porque hoje eu só consigo ficar no máximo 2 horas longe dela (de preferência se ela tiver dormindo), porque ela é minha companheirinha de feira, supermercado, parques e tudo mais que fazemos assim grudadinhas. 

Porque quando ela acorda me chama, quando quer alguma coisa me chama, quando cai me chama, quando tem fome me chama.. Se eu me canso desses chamados todos?? As vezes, mas eu sou tão mais feliz por ter ela me chamando o dia todo!!!! 🙂

Antes que surjam os comentários e até as críticas pelas minhas opções já vamos deixar bem claro que são as MINHAS opções. Eu respeito quem não quer (ou dependendo das prioridades, não pode) parar de trabalhar para cuidar dos filhos e também respeito quem achar que eu sou uma doida varrida por não conseguir ficar longe da minha cria. Mas eu espero no mínimo o mesmo respeito, ok?!

Campanha Culpa, Não!

“Nasce a mãe e com ela, a culpa. Mas não precisa ser assim… Uma campanha da revista Pais & Filhos.”

Hoje eu e a Loly participamos da campanha Culpa, Não! da revista Pais & Filhos.

A cada mês eles lançam um tema em que as mães compartilham as suas histórias e comentam como estão lidando com a culpa por cada decisão tomada na criação dos filhos.

Realmente desde que me tornei mãe tive que aprender a conviver com um sentimento de culpa quase que constante!!!

Nesse mês o tema é sobre colocar o filho(a) na creche e como eu havia feito essa opção mas acabei desistindo no meio do caminho, resolvi compartilhar minha experiência através desse depoimento.

Para ler meu depoimento clique aqui.

E o mais legal da campanha é você ler as outras histórias e ver como outras mães lidam com situações muito parecidas com as que você vivencia.

Eu acredito que o mais importante é perceber que não devemos sentir essa culpa já que não existe o certo e o errado, mas sim o que se adequa melhor a sua realidade e da sua família.

Então mamães de plantão e futuras mamães que já tem essas preocupações, joguem esse sentimento de culpa para o alto e sigam suas vidas felizes e transmitindo essa felicidade para os pequenos!!! 🙂

Beijos